07 de abril de 2021 às 17:06

'Batom na cueca': ex-secretário de Saúde disse ter avisado a Witzel sobre risco de requalificar OS


Crédito:Reprodução da internet

O ex-secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, relatou em depoimento que foi avisado pelo governador Wilson Witzel que iria, "na canetada", requalificar a Unir Saúde, organização social comandada por Mario Peixoto e investigada por fraudes em contratos com a Saúde. Os dois são investigados por irregularidades em contratações de OSs com a Unir Saúde e a Iabas.

Edmar é interrogado nesta quarta (07) pelo Tribunal Especial Misto. Na chegada, ele foi coberto com um lençol e depõe sob uma espécie de biombo para não ser gravado pela imprensa. Edmar é interrogado pelo próprio Witzel. Por determinação do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a imprensa não poderá acompanhar o interrogatório, sob a justificativa de "proteção de sua imagem". Apenas a gravação de instrução do processo será permitida.

"O senhor me comunicou na varanda de seu gabinete que iria, de canetada, requalificar a Unir Saúde. Eu afirmei de forma veemente que isso era batom na sua cueca. Eu tirei a Unir justamente porque era corrupta. A qualificação e requalificação dependiam da Secretaria de Saúde. O senhor queria até restituir os contratos já perdidos pela Unir. Pelo menos nessa parte o senhor me ouviu e não restituiu", afirmou Edmar, diretamente a Witzel.

"Pedi apoio para fazer uma auditoria nos contratos das Organizações Sociais. Quando isso estava pronto a vir a tona, há uma solicitação para que não se tivesse um desgaste político. Há mudanças e a Controladoria Geral do Estado põe panos quentes".

Em determinados momentos do interrogatório, Witzel tentou refutar comentários de Edmar, mas foi interrompido pelo presidente do Tribunal, desembargador Henrique Figueira.  

Fonte: O Dia

comentários

Estúdio Ao Vivo